Como previsto, PSDB já prepara a volta de FHC à presidência

A tempestade perfeita que começou a se formar nos arredores do Palácio do Planalto, com a combinação de abalos políticos e econômicos, intensificou o desconforto e tornou indócil o principal aliado de Michel Temer: o PSDB.

Embora a determinação da cúpula tucana seja manter o apoio ao governo, há no partido quem cogite a possibilidade de Temer não terminar o mandato, em razão de denúncias que possam surgir com a delação da Odebrecht ou mesmo se o Tribunal Superior Eleitoral decidir cassar a chapa Dilma-Temer.

Somado a isso, a economia recuou pelo sétimo trimestre consecutivo e mostrou que a receita de ajuste de Henrique Meirelles não deve gerar resultados tão rápido.




Parlamentares do PSDB já falam em março como a data limite para que a economia mostre reação e Temer consiga pelo menos imprimir a imagem de presidente que colocou em ordem as contas públicas.

Caso contrário, especulam os mais pragmáticos, cogita-se o nome de Fernando Henrique Cardoso como opção em eventual eleição indireta, com a decisão do TSE chancelada a partir do início de 2017.

O movimento dos tucanos não é necessariamente conspiratório. Aliás, o melhor para o PSDB é que o governo funcione, aplicando medidas impopulares, como o ajuste e a reforma da Previdência, e pavimente (para eles) o terreno em 2018.

Cientes da máxima de que não há espaço vazio na política, os tucanos fazem projeções. Temer, por sua vez, tenta se antecipar a essa leitura e avalia dar mais espaço ao PSDB, que pede —e agora vai ter— maior participação nas decisões estratégicas do governo federal.

Um dos principais auxiliares do presidente mostra que entendeu a engrenagem e diz que os tucanos não podem ser tratados como o PT tratou o PMDB na gestão Dilma.

Isso porque, na realpolitik, sempre há um plano B, ou C, e o presidente Michel Temer sabe disso.

Marina Dias – Folha de São Paulo


Leia mais