Com votação maciça, Eduardo Cunha tem mandato cassado e fica inelegível por oito anos

Com 450 votos, o plenário da Câmara aprovou o relatório do deputado federal Marcos Rogério (DEM-RO), que foi favorável à cassação de Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Além de perder o mandato, o ex-deputado fica inelegível por 8 anos.




A sessão durou quase 4 horas. A maioria dos parlamentares discursaram a favor da cassação, apenas Carlos Marum (PMDB-MS) e Edson Moreira (PR-MG) defenderam o ex-presidente da Câmara. O deputado sul-mato-grossense subiu à tribuna diversas vezes demonstrando um imenso apreço a Cunha.

Dos que discursaram a favor da cassação, destacou-se a deputada Clarissa Garotinho (PR-RJ), que fez um discurso ríspido, ela chamou o ex-deputado de “mafioso da pior espécie” e “psicopata”.

Eduardo Cunha chegou a dar as costas para Gláuber Braga (PSOL-RJ), o deputado que chamou o ex-presidente da Câmara de “gangster” no dia da votação da admissibilidade do impeachment da presidenta eleita, Dilma Rousseff.