Com Temer, produção automobilística caiu em 18,4% no mês de agosto

247 A cada novo dado divulgado na economia, mais uma tragédia. Os números da indústria automobilística revelam que a crise política, estimulada para possibilitar o golpe de 2016, foi um péssimo negócio para o setor produtivo.

De acordo com dados da Anfavea, a associação que reúne as montadoras, a produção das indústrias caiu nada menos que 18,4% em agosto, aprofundando aquela que já é a maior recessão da história do País. Foram montados no total 177.726 carros, comerciais leves, caminhões e ônibus. Em relação a julho, que somou 189.907 unidades, houve desaceleração de 6,4%.




Hoje, a economia brasileira enfrenta hoje um círculo vicioso: menos emprego, menos renda, menos consumo e menos arrecadação – o que acentua ainda mais o rombo fiscal, que foi o pretexto para a derrubada da presidente Dilma Rousseff.

O estratégia do “quanto pior, melhor”, que possibilitou o impeachment, tem sido, para os empresários e trabalhadores, “quanto pior, pior”.

O Brasil tem hoje 12 milhões de desempregados e o número deve chegar a 13 milhões até o fim do ano.


Leia mais