Com Temer e PSDB, os índices de expectativa de emprego são tragicamente baixos

Enquanto o “mercadismo” garante que a “retomada da economia” está a caminho, os números não param de mostrar que, até agora, nem sinal dela.

A Fundação Getúlio Vargas divulgou hoje  os índices de expectativa de emprego e de desemprego e a conclusão é sombria, nas palavras do economista da própria FGV e responsável pela análise da pesquisa, Fernando de Holanda Barbosa Filho:




“Os índices de mercado de trabalho mostram que o otimismo com relação ao futuro ainda não se reflete em melhora no mercado de trabalho. O índice coincidente da taxa de desemprego (ICD) permanece estacionado em níveis elevados, sinalizando que a situação atual do mercado de trabalho continua bastante difícil. A novidade ocorreu no índice antecedente do emprego (IAEmp) e não foi positiva. O índice teve leve queda puxada por uma piora na margem na situação atual dos negócios e uma piora na expectativa de contratação futura. A leitura conjunta dos índices parece indicar uma recuperação mais complicada do que a esperada nos próximos meses. O mercado continua ruim e deve demorar a mostrar sinais mais consistentes de melhora”.

O pior resultado é para as classes de menor renda, tradicionais “pagadores do pato” da crise.

Fernando Brito – Tijolaço


Leia mais