Início Destaques Cientistas conseguem eliminar vírus HIV de animais vivos

Cientistas conseguem eliminar vírus HIV de animais vivos

Patrícia Miguez – Cientistas conseguiram curar animais soropositivos utilizando uma técnica de edição de DNA chamada CRISPR, de acordo com um novo estudo.

O vírus HIV é praticamente inatingível devido à sua capacidade de se ocultar mas, de acordo com um estudo publicado esta semana, cientistas norte-americanos mostraram que foram capazes de remover completamente o DNA infectado de células humanas que haviam sido implantadas em roedores – prevenindo, assim, futuras infecções.

Foi a primeira vez que tal feito aconteceu em animais vivos – abrindo caminho para que o mesmo seja feito em modelos humanos.




A parte mais animadora é que o estudo realizado na Lewis Katz School of Medicine na Temple University e na Universidade de Pittsburgh envolveu um modelo “humanizado” de roedor, no qual haviam sido implantadas células imunes humanas infectadas com o vírus.

O novo trabalho, liderado pelo Dr. Wenhui Hu na LKSOM, foi baseado em uma outra pesquisa, realizada pela mesma equipe, na qual foram capazes de remover o HIV-1 de uma série de tecidos – um ano depois, foi possível fazer o mesmo em todos eles.

“Este novo estudo é muito mais abrangente”, disse o Dr. Hu. “Confirmamos os dados do nosso trabalho anterior e melhoramos a eficiência da nossa estratégia de edição dos genes. Também mostramos que a estratégia é eficiente em outros dois modelos de roedores: um representando infecção aguda em células do próprio roedor e outro representando infecção latente ou crônica, em células humanas”, completa ele.

Três grupos de ratos foram testados:

  • No primeiro, foram infectados com HIV-1;
  • no segundo, com um caso severo de EcoHIV (o equivalente ao HIV-1 humano)
  • no terceiro, foi usado um modelo “humanizado” de roedor, no qual foram implantadas células imunes humanas infectadas com o HIV-1.

Ao tratar o primeiro grupo, conseguiram desativar geneticamente o HIV-1, reduzindo a expressão RNA de genes virais em 95%, confirmando os estudos anteriores.

O segundo grupo possuía mais um desafio: o vírus era mais propenso a se espalhar e multiplicar. “Durante a infecção aguda, o HIV se replica ativamente”, explicou o Dr. Khalili. “Nos roedores com EcoHIV, pudemos testar a habilidade da estratégia CRISPR/Cas9 para bloquear replicação viral e potencialmente prevenir infecções sistêmicas”.

info

A estratégia aplicada eliminou 96% dos vírus EcoHIV nos ratos, fornecendo a primeira evidência de tal feito utilizando-se do sistema CRISPR/Cas9.

Finalmente, chegaram ao terceiro modelo: os ratos “humanizados” que possuíam células imunes humanas, incluindo células T, nas quais o HIV tende a se esconder. “Estes animais carregam HIV latente no genoma das células T humanas, onde o vírus pode escapar sem ser detectado”, explicou o Dr. Hu.

Seguindo um simples tratamento com a técnica, os cientistas puderam remover totalmente quaisquer fragmentos virais das células latentes infectadas que haviam sido implantadas em tecidos e órgãos.

O novo estudo marca outro grande passo em direção à busca de uma cura permanente para a infeção HIV. De acordo com o Dr. Khalili, “o próximo passo seria repetir o estudo em primatas, que são um modelo animal mais adequado onde a infecção por HIV causa doenças, para que possamos demonstrar a eliminação do DNA HIV-1 em células T latentes infectadas e outros santuários do HIV-1, incluindo células cerebrais”.

“Nosso objetivo final são testes clínicos em pacientes humanos”.

Matéria traduzida do Daily Mail.


Leia também

Alckmin se comporta como santo ao falar de Aécio

He he he… Quem não riu ao ler a declaração de Geraldo Alckmin sobre Aécio Neves se tornar …