Cientistas conseguem eliminar vírus HIV de animais vivos

Patrícia Miguez – Cientistas conseguiram curar animais soropositivos utilizando uma técnica de edição de DNA chamada CRISPR, de acordo com um novo estudo.

O vírus HIV é praticamente inatingível devido à sua capacidade de se ocultar mas, de acordo com um estudo publicado esta semana, cientistas norte-americanos mostraram que foram capazes de remover completamente o DNA infectado de células humanas que haviam sido implantadas em roedores – prevenindo, assim, futuras infecções.

Foi a primeira vez que tal feito aconteceu em animais vivos – abrindo caminho para que o mesmo seja feito em modelos humanos.




A parte mais animadora é que o estudo realizado na Lewis Katz School of Medicine na Temple University e na Universidade de Pittsburgh envolveu um modelo “humanizado” de roedor, no qual haviam sido implantadas células imunes humanas infectadas com o vírus.

O novo trabalho, liderado pelo Dr. Wenhui Hu na LKSOM, foi baseado em uma outra pesquisa, realizada pela mesma equipe, na qual foram capazes de remover o HIV-1 de uma série de tecidos – um ano depois, foi possível fazer o mesmo em todos eles.

“Este novo estudo é muito mais abrangente”, disse o Dr. Hu. “Confirmamos os dados do nosso trabalho anterior e melhoramos a eficiência da nossa estratégia de edição dos genes. Também mostramos que a estratégia é eficiente em outros dois modelos de roedores: um representando infecção aguda em células do próprio roedor e outro representando infecção latente ou crônica, em células humanas”, completa ele.

Três grupos de ratos foram testados:

  • No primeiro, foram infectados com HIV-1;
  • no segundo, com um caso severo de EcoHIV (o equivalente ao HIV-1 humano)
  • no terceiro, foi usado um modelo “humanizado” de roedor, no qual foram implantadas células imunes humanas infectadas com o HIV-1.

Ao tratar o primeiro grupo, conseguiram desativar geneticamente o HIV-1, reduzindo a expressão RNA de genes virais em 95%, confirmando os estudos anteriores.

O segundo grupo possuía mais um desafio: o vírus era mais propenso a se espalhar e multiplicar. “Durante a infecção aguda, o HIV se replica ativamente”, explicou o Dr. Khalili. “Nos roedores com EcoHIV, pudemos testar a habilidade da estratégia CRISPR/Cas9 para bloquear replicação viral e potencialmente prevenir infecções sistêmicas”.

info

A estratégia aplicada eliminou 96% dos vírus EcoHIV nos ratos, fornecendo a primeira evidência de tal feito utilizando-se do sistema CRISPR/Cas9.

Finalmente, chegaram ao terceiro modelo: os ratos “humanizados” que possuíam células imunes humanas, incluindo células T, nas quais o HIV tende a se esconder. “Estes animais carregam HIV latente no genoma das células T humanas, onde o vírus pode escapar sem ser detectado”, explicou o Dr. Hu.

Seguindo um simples tratamento com a técnica, os cientistas puderam remover totalmente quaisquer fragmentos virais das células latentes infectadas que haviam sido implantadas em tecidos e órgãos.

O novo estudo marca outro grande passo em direção à busca de uma cura permanente para a infeção HIV. De acordo com o Dr. Khalili, “o próximo passo seria repetir o estudo em primatas, que são um modelo animal mais adequado onde a infecção por HIV causa doenças, para que possamos demonstrar a eliminação do DNA HIV-1 em células T latentes infectadas e outros santuários do HIV-1, incluindo células cerebrais”.

“Nosso objetivo final são testes clínicos em pacientes humanos”.

Matéria traduzida do Daily Mail.