Burocracia imposta por Temer na atividade agrícola explica os altos preços do feijão e do leite

No encontro que tiveram hoje (28) com o presidente interino, Michel Temer, dirigentes da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) criticaram algumas medidas adotadas pelo atual governo por, no entendimento da entidade, burocratizar a produção agrícola do país – em especial uma norma que voltou a vigorar e que obriga o agricultor a renovar anualmente uma licença para o plantio.

Após o encontro com Temer, o vice-presidente CNA, José Mário Schreiner, criticou também o fato de a queda do preço pago ao produtor pela saca de feijão não ter sido repassada ao consumidor final. “O feijão já teve arrefecimento de preço para o produtor. Só não senti isso na prateleira. É interessante”, disse ele em tom irônico.

“O preço do feijão já chegou a pouco mais de R$ 500 a saca, o que daria R$ 9 o quilo ao produtor e no supermercado estava a R$ 15. Agora o preço caiu a R$300, o que dá algo entre R$ 6 e R$ 7 o quilo para o produtor. No entanto continua a R$ 15 para a dona de casa. É a mesma história do leite, que está a R$1,50 [o litro] para o produtor e vocês compram todos os dias a R$ 4 na prateleira. É a transformação, a metamorfose e a alquimia que existe na economia”, acrescentou.

Durante a reunião, Schreiner e os demais dirigentes da CNA entregaram a Temer uma lista com dez sugestões de medidas para “garantir o crescimento e o fortalecimento da agropecuária brasileira”. Entre as reivindicações apresentadas estava a de se criar facilidades para o produtor brasileiro nos processos ambientais.

“Isso é extremamente importante mas, veja bem: agora, com a entrada em vigor de uma portaria [do Ministério do Meio Ambiente] que até então estava suspensa, precisaremos de um licenciamento anual para plantar. Imagina isso: todo ano eu planto milho, mas ano que vem eu terei de renovar novamente essa licença. Isso burocratiza o processo. Para piorar, muitas vezes esse processo é delegado aos estados, e eles não têm celeridade nem gente preparada para que isso ocorra de forma muito rápida. E nós sabemos que tempo, clima e agricultura não esperam a boa vontade ou a falta de agilidade dos processos burocráticos”, argumentou Schreiner.

 

Leia mais na Agência Brasil.