Bob Fernandes: Lava Jato admite que corrupção é supra e multipartidária. Por que só agora?

Carlos Fernando dos Santos Lima, Procurador na Lava Jato, concluiu:

– O problema da corrupção não é partidário. O problema da corrupção é estrutural da política brasileira.

Portanto, Sistêmico, como aqui repetimos há anos. Há três anos a Lava Jato chegou aos que roubavam na Petrobras e a seus sócios, as empreiteiras.

Empreiteiros, seus computadores e delatores não guardavam dados apenas sobre Petrobras. Óbvio.

Em milhares de informações, nas contas, na memória dos delatores, sempre esteve o DNA dessa política à brasileira.

Dito e sabido tanto, pergunte-se: porque, com a devida pompa e circunstância, Lava Jato e suas vozes não deixaram isso claro e público desde o início?

Por que não encaminhar outras investigações, ou ao menos dar conhecimento, já que tanto se vaza?

Por que retardar a caça a pistas expostas nos computadores?

Fazer de conta que corruptos se concentravam em um só governo e suas alianças, magnificar isso, alimentou manchetes, helicópteros, panelas, levou milhões às ruas.

Isso enquanto se fazia de conta que o mesmo Sistema não financia também, de formas semelhantes, a grande oposição e seus aliados.

Isso multiplicou ódios, expandiu a ignorância. E nesse tempo, protegido pelo silêncio cúmplice, o aliado Eduardo Cunha desatou a Contra Reforma. Esse nó cego que ai está.

Ao que se noticia, OAS e Odebrecht delatarão dezenas, ou uma centena de políticos. De todos os grandes partidos.

Agora, só agora em grande estilo, a exposição do sempre sabido: a corrupção é estrutural, multipartidária.

Por que só agora? Porque não há como dar banquete só com o prato principal. Sem acompanhamentos pegaria, pegará muito mal.

Como a corrupção, a seletividade também é Sistêmica.

Bob Fernandes – TV Gazeta