Banco Central eleva os juros reais, por Vitor Hugo Tonin

GGN – Seria essa a manchete dos jornais se tivéssemos algo de imprensa livre no Brasil. Como não temos, todos os jornais estamparam a manchete que interessa aos seus senhores: os grandes bancos e especuladores. Estamparam que a taxa de juros estaria estável, no mesmo patamar há 12 meses. Mas a verdade é que ao manter os juros nominais com queda significativa da inflação o Banco Central está decididamente elevando os juros reais nas últimas cinco reuniões do Copom.

Os economistas e os jornalistas, seus principais cúmplices, sabem muito bem disso. Por que então não se divulgam os dados reais? Na verdade, o Banco Central vem promovendo uma política de elevação das taxas reais de juros desde janeiro deste ano. No acumulado dos seis primeiros meses a taxa real de juros cresceu quase 60%. Um verdadeiro programa de aceleração do rentismo!

Se a taxa nominal de juros se mantiver neste mesmo patamar até o final do ano Ilan terá alcançado a proeza de dobrar a taxa de juros reais num país em grave recessão. Isso porque a previsão dos próprios rentistas é de que o IPCA feche o ano de 2016 em 7, 21%, segundo o relatório Focus do Banco Central, também divulgado hoje. Mantida a Selic em 14,25% isso significa que passaremos de uma taxa de juros real de 3,20 para 6,57% aa. E assim vamos nos distanciando cada vez mais assumindo a liderança isolada das taxas de juros mundiais, seguidos de longe pela Indonésia (2,95%), Rússia (2,79%) e China (2,40%).

-Não fale em crise, trabalhe! – Mas aonde???

Segundo a ata do Comitê divulgada hoje o principal motivo em manter a Selic no mesmo patamar seria a queda lenta da inflação causada principalmente pela alta dos preços dos alimentos. Segundo o raciocínio ortodoxo elevar a taxa de juros estimula as pessoas a pouparem em vez de gastarem. Isso reduziria a demanda e com isso os preços. Nessa lógica, o povo brasileiro deve deixar de consumir alimentos até que seus preços caiam. Mas com fome ninguém consegue poupar (lição elementar, mas ausente nos manuais de economia), logo a única maneira de fazer esse povo parar de consumir é elevando o desemprego, reduzindo salários, benefícios e direitos. Parece mentira, mas é justamente nisso que aposta o Banco Central:

Por outro lado, o processo contínuo de distensão do mercado de trabalho e a desaceleração significativa da atividade econômica podem, a princípio, produzir uma desinflação mais rápida (por exemplo, no setor de serviços) do que a refletida nas expectativas de inflação medidas pela pesquisa Focus e nas projeções condicionais produzidas pelo Copom.”(Ata do Copom, p.4)1

Adeus empregos…

Na prática, no jogo real da luta de classes, isso significa que os privilegiados que recebem rendimentos de títulos do tesouro ou lastreados pela taxa Selic dobrarão seu poder econômico, enquanto a massa de trabalhadores brasileiros sofrem com o desemprego e com a corrosão dos salários. Esse é o objetivo da política monetária do governo ilegítimo: elevar os ganhos dos banqueiros e rentistas, aumentar os privilégios, aprofundar o grau de parasitismo da economia brasileira enquanto de outro lado continua achatando os salários e retirando direitos aprofundando ainda mais a desigualdade social e econômica da nação.

1– Disponível em: http://www.bcb.gov.br/htms/copom/not20160720200.PDF

Vitor Hugo Tonin – Doutorando em Desenvolvimento Econômico na Unicamp, membro da direção nacional da Intersindical – Central da Classe Trabalhadora e militante das Brigadas Populares.


Leia mais