Atriz Ingra Lyberato deixa comissão do Oscar clamando justiça devido ao impeachment fraudulento

A atriz Ingra Lyberato deixa oficialmente a comissão que vai definir o filme brasileiro do Oscar, composta por nove integrantes escolhidos pela Secretaria do Audiovisual, braço do Ministério da Cultura.

A decisão foi publicada pela atriz em seu perfil de Facebook na manhã de sexta (26), e é divulgada horas depois de outra postagem, em que Lyberato fez um desabafo sobre a polêmica envolvendo o filme “Aquarius”.

No texto mais recente, ela diz que a decisão foi tomada depois que alguns “filmes preciosos” foram retirados da disputa por seus diretores. Ela se refere à controvérsia em torno do comitê, instituído pela Secretaria do Audiovisual, que é alvo de grita no meio cinematográfico. Isso porque um dos membros, o crítico Marcos Petrucelli, é um notório opositor ao diretor Kleber Mendonça Filho, de “Aquarius”.



 Desde que o filme de Mendonça Filho estreou no Festival de Cannes, em maio, o diretor é alvo de postagens ofensivas por parte de Petrucelli. Durante o festival francês, o cineasta e a equipe de “Aquarius” empunharam cartazes contra o impeachment de Dilma Rousseff com os seguintes dizeres: “Um golpe está acontecendo no Brasil”.

Petrucelli escreveu que “vergonha é o mínimo que se pode dizer” do ato. Quando o crítico foi nomeado para a comissão do Oscar, três meses depois, o meio cinematográfico reagiu com enormes críticas.

Gabriel Mascaro (“Boi Neon”) e Anna Muylaert (“Mãe Só Há Uma”)desistiram de inscrever seus filmes para análise da comissão, e Guilherme Fiúza Zenha, um dos integrantes, pediu seu desligamento por “motivos pessoais”.

A atriz escreve ainda que está “diante da minha classe insatisfeita e clamando por justiça”, em referência ao afastamento da Dilma Rousseff e a instalação do governo interino. Na nota, ela diz ainda: “Sou contra o golpe que impediu e retirou o governo eleito democraticamente de suas funções”.

Ela aponta que, “como a comissão tem sua legitimidade questionada por grande parte de nossa classe, me retiro em respeito a minha própria tribo”.

Leia mais na Folha de São Paulo.