Grande mídia começa a abandonar Temer para levar o PSDB ao Planalto

A persistência de fortes mobilizações contra o golpe parlamentar colocou o governo de Michel Temer diante do seguinte dilema: ou desiste das reformas que rompem o pacto de 1988 e perde de vez o apoio de setores importantes do PSDB e da elite econômica do país, ou entrega o que prometeu a seus apoiadores, correndo o risco de jogar gasolina no amplo movimento por eleições diretas.

No jogo político travado em Brasília e na grande mídia, as pressões cada vez mais ferozes pela aprovação das reformas que reduziriam estruturalmente o papel do Estado na economia e na provisão de uma —ainda frágil– rede de proteção social deixam claro que o bloco formado para derrubar a presidente Dilma Rousseff é tudo, menos coeso.

Só não está evidente quem é o real boi de piranha nesta história. Por um lado, o PMDB —um partido que sempre se alimentou do tamanho do Estado em seu fisiologismo— utilizou-se de um discurso neoliberal de ocasião para conquistar o apoio dos que faziam oposição ao governo Dilma Rousseff.




As gravações de Sergio Machado já haviam deixado claro para aqueles que quiseram ouvir que o principal objetivo do golpe parlamentar nunca foi o de ajustar as contas públicas no curto ou no longo prazo, e sim o de “estancar a sangria” causada pela Operação Lava Jato.

Por outro lado, o PSDB e seus simpatizantes, cientes de que jamais ganhariam uma eleição com a agenda de retrocessos que defendem hoje, tentam conseguir do PMDB que faça o trabalho sujo para o que —calculam— seria seu governo a partir de 2018.

Caso não sejam atendidos, podem optar por desembarcar de um governo ilegítimo e tentar a sorte no mais amplo campo político do pós-golpe —o barco do “Fora, Temer”. Setores da grande mídia parecem já estar arrumando as malas para a nova viagem. Resta saber se serão aceitos a bordo.

Diante de pressões crescentes pela aprovação da reforma da Previdência e da PEC “do teto” –que chegaram até mesmo às atas do Banco Central do Brasil— o governo Temer ainda se esforça para convencer as viúvas de Margaret Thatcher de suas boas intenções.

Reportagem do jornal “Valor Econômico” da última terça-feira (13) sugere que o ministro-chefe da Casa Civil vem aprendendo teoria do Estado com os discípulos da ex-primeira-ministra britânica. “Padilha defendeu que não existe dinheiro público, já que todos os recursos arrecadados pelo governo vêm do setor privado, por meio de pagamento de impostos”, afirma.

Nos bastidores do poder, no entanto, o debate econômico parece se dar ainda entre os que insistem em afirmar que não há dinheiro para o que pede a sociedade e os que acham que o dinheiro não tem dono, podendo “ad eternum” ser apropriado pelas velhas oligarquias. Oligarquias que, proporcionalmente à sua renda, são os que menos contribuem para o Orçamento.

Desde o início da crise —e de seu nítido agravamento pelo corte brutal de investimentos e do conjunto de despesas efetivas reais do governo em 2015—, o caminho da redução do deficit fiscal pela via da eliminação de desonerações fiscais, da cobrança de impostos progressivos e da recuperação do crescimento da renda e do emprego são cartas das quais nossos plutocratas não querem nem ouvir falar. Quem parte e reparte fica com a maior parte.

Laura Carvalho em sua coluna na Folha de São Paulo.


Leia mais