Após saber da delação, assessor escondeu R$ 480 mil destinados a Aécio Neves na casa da sogra

Um dia antes da operação Patmos ser deflagrada na quinta-feira (18), o assessor parlamentar Mendherson Souza Lima, apontado como um dos responsáveis por transportar propina paga pela JBS ao senador Aécio Neves (PSDB-MG), levou para casa da sogra R$ 480 mil em espécie.




Em documento assinado por Azelina Rosa Ribeiro, sogra de Mendherson, ela reconhece que autorizou a entrada de policiais federais em sua casa, em Nova Lima (MG), “com o fim de recolher o conteúdo de duas sacolas deixadas pelo genro Mendherson Souza Lima na noite de 17 de maio”.

Foi nesta data que o jornal “O Globo” publicou a notícia sobre a delação da JBS e o suposto esquema de propina do qual o senador Aécio Neves teria se beneficiado.

Os pacotes com cédulas de R$ 100 estavam escondidos em um dos quartos da casa de Azelina.

Mendherson trabalhava como assessor do também senador mineiro Zezé Perrela (PMDB).




Segundo a investigação policial, no dia da operação Patmos ele confessou ter levado os R$ 480 mil em duas sacolas para a casa sogra sem que ela tivesse conhecimento. O assessor falou que se assustou ao saber da delação feita pelos executivos da JBS pelo noticiário.

Posteriormente, a PF foi à Nova Lima, onde encontrou o dinheiro.

Leia mais na Folha de São Paulo.