Ao invés de ouvir o povo, Temer ouve empresários e decide sancionar a terceirização irrestrita

Michel Temer recuou de aguardar a aprovação, a toque de caixa, de um segundo projeto de lei sobre terceirização, pelo Senado, e vai sancionar o que foi aprovado pela Câmara na semana passada, atendendo a um pedido de empresários que querem “segurança jurídica”.

A terceirização que está no Senado foi encampada por Eduardo Cunha quando o deputado cassado era presidente da Câmara. Já o projeto que foi aprovado recentemente consegue ser ainda mais duro para o trabalhador.




Por isso, a ideia de aguardar o PL que está Senado era uma tentativa de amenizar as críticas em relação à terceirização ampla que a Câmara ao resgatar um texto dos anos FHC.

Mas, depois de encontro com empresários, na noite da sexta-feira passada, Temer recuou. 

A promessa, agora, é sancionar a terceirização já aprovada e criar “salvaguardas” numa eventual reforma trabalhista, que o governo está elaborando.

O governo também tem medo de que, por conta dos protestos e críticas de movimentos sindicais, a terceirização que está no Senado possa ser alterada para amenizar os efeitos da que já foi aprovada.

Temer tem até 15 dias para sancionar a proposta.

Via Jornal GGN