Antes da votação, Eduardo Cunha reclamou muito de Michel Temer e Moreira Franco

“Eduardo, o governo não pode tudo”, tentou explicar um emissário do Planalto. Mas Cunha não se convenceu. Patrono do impeachment, cobrava lealdade por colocar Michel Temer na Presidência. Acabou expulso do Congresso sob as barbas do governo que ajudou a empossar e pelas mãos do grupo político que ele próprio fortaleceu. Abatido, com olheiras e mais calado do que o normal, confidenciava a amigos horas antes da cassação: “O Michel não fez nada por mim”.




Cunha deu pistas do que vem por aí: “Contarei tudo do impeachment”. Ele espera lançar seu livro sobre os bastidores da deposição de Dilma Rousseff em dois meses.

Nas poucas palavras que deu durante o dia, Cunha reclamou muito de Moreira Franco, secretário de Temer, e do presidente. O único poupado foi Geddel Vieira Lima — “esse sempre foi correto comigo”, dizia ele.

Nas últimas horas, Cunha viu-se abandonado por aliados do baixo clero. “Vou votar por sua cassação. Abraços”, escreveu um inexpressivo deputado para o WhatsApp do peemedebista.

(Natuza Nery – Painel)


Leia mais