Amigo de Aécio Neves assume o cargo de vice-procurador-geral da República

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, escolheu nesta quinta-feira (8) o subprocurador-geral da República José Bonifácio Borges de Andrada para o cargo de vice-procurador-geral da República. A portaria deve ser publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (9).

O novo vice de Janot foi advogado-geral da União durante o último ano de governo de Fernando Henrique Cardoso, em 2002, e advogado-geral de Minas entre 2003 e 2010, quando o senador Aécio Neves (PSDB-MG) era governador do Estado.

A ligação com o PSDB vem de casa. Bonifácio é filho de um dos mais longevos deputados da história, o tucano Bonifácio de Andrada, que ocupa uma cadeira na Câmara desde 1979.




Bonifácio vai substituir Ela Wiecko, que deixou o cargo na semana passada após um vídeo em que aparece numa manifestação contra o impeachment vazar na internet. A gravação foi feita em junho, quando estava de férias em Portugal. Após o episódio vir a público, ela pediu dispensa do cargo.

Segundo fontes da PGR, a escolha de Janot tem um componente político. Ao substituir Ela, que tinha uma posição mais à esquerda, por um nome ligado ao PSDB, Janot espera construir uma ponte com o novo governo do presidente Michel Temer. Bonifácio também é um nome que tem bom trânsito com os demais subprocuradores e é próximo do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, que tem feito reiteradas críticas à atuação da PGR na Operação Lava Jato.

É papel do vice assumir o comando do Ministério Público Federal durante as ausências de Janot. Ele também poderá representar a instituição em julgamentos no STF (Supremo Tribunal Federal) e sessões do CNJ (Conselho Nacional de Justiça). Bonifácio deve herdar ainda o comando da Operação Acrônimo, que tem como alvo o governador de Minas Fernando Pimentel (PT).

Bonifácio, de 59 anos, é natural do Rio de Janeiro, mas se formou em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Minas. Ele foi nomeado para o cargo de procurador da República em outubro de 1984. Em outubro de 2009, foi promovido a subprocurador-geral da República. Na Procuradoria-Geral da República, já atuou em processos perante o Superior Tribunal de Justiça e, no período de 2014 a 2016, foi coordenador da 2ª Câmara de Coordenação e Revisão, que trata de matéria criminal.

(Estadão Conteúdo)