Extrema-direita é derrotada na eleição presidencial austríaca

O candidato à presidência da Áustria e ecologista Alexander Van der Bellen venceu neste domingo (4) o populista de extrema-direita Norbert Hofer, mostraram resultados preliminares da votação, segundo a AP. Pesquisas haviam apontado uma disputa apertada entre os dois, mas as urnas mostraram Van der Bellen bem à frente do rival.

O ultranacionalista Partido Liberal da Áustria (FPÖ) reconheceu a derrota de seu candidato Hofer. “Hofer se rendeu de forma desumana, não foi uma situação fácil, já que foi um contra todos. Isto não é o final de história. O sistema conseguiu uma última vez frear a mudança”, disse Herbert Kickl, chefe de campanha do candidato.

A derrota inflige um golpe considerável nas pretensões do FPÖ se transformar no primeiro grupo de extrema-direita a eleger um chefe de estado em eleições livres desde a Segunda Guerra.

Segundo uma pesquisa da televisão pública “ORF”, o ecologista recebeu 53,6% dos votos, contra 46,4% do candidato ultranacionalista, com a apuração de 58,4% das urnas e uma margem de erro de 1,2%, o que impossibilita uma mudança de tendência.

Van der Bellen, 72 anos, colocou o Brexit no centro da sua campanha, argumentando que Hofer quer propor também um referendo de saída da UE, colocando empregos em risco no país, pequeno e altamente dependente do comércio exterior.

Acredita-se que uma vitória de Hofer aumentaria o risco mais um ataque para as bases políticas da União Europeia, além do referendo na Itália sobre reformas constitucionais.

Norbert Hofer, candidato presidencial do Partido da Liberdade austríaco (FPOe), espera pelos resultados das eleições em seu escritório em Viena, na Áustria, neste domingo.

Por sua vez, a chefe dos Verdes, Eva Glawischnig, do partido que Van der Bellen dirigiu durante anos, falou de um “dia histórico” após conhecer a projeção.

Leia mais no G1.