Aécio Neves volta a manchar a biografia do avô pensando em 2018

Em jantar com o interino Michel Temer na quarta-feira (17) no Palácio do Jaburu, Aécio Neves (PSDB-MG) voltou a inserir o avô, Tancredo Neves, num contexto em que ele jamais se submeteria

Segundo Natuza Nery, no Painel, o senador mineiro pediu a Temer reeditar o texto do pronunciamento de Tancredo após sua vitória no Colégio Eleitoral em 1985: “Senhoras e senhores, é proibido gastar”.

A História conta que Tancredo Neves sempre esteve ao lado dos legalistas. O mineiro foi a voz de destaque contra o golpista Auro Soares de Moura Andrade, que anunciou que o presidente João Goulart tinha deixado o cargo em 1964, quando Jango estava em viagem diplomática. Em tom de revolta, Tancredo, aos gritos, se dirigiu ao presidente do Senado: “Canalha, canalha!”.

Agindo dessa maneira, o ex-governador de Minas Gerais volta a manchar a biografia do avô, que sempre esteve ao lado de vítimas de tentativa de golpe, como João Goulart, Juscelino Kubitschek e Getúlio Vargas.

O objetivo de Aécio é fazer com que Temer anuncie medidas impopulares e chegue em 2018 sem chances à reeleição. Desse modo, o caminho ficaria livre para para a volta de algum tucano ao poder.


Leia mais