A pensão milionária da prima de Aécio Neves, segundo a Lava Jato

Suzana Neves é prima de Aécio Neves. Os avós de Suzana e Aécio eram irmãos: Francisco Dornelles e Tancredo Neves.

Ao avançar sobre o esquema de corrupção do grupo do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB), atualmente detido em Bangu 8, a força-tarefa da Lava Jato no Rio chegou até a ex-mulher do peemedebista, Susana Neves, alvo de um mandado de condução coercitiva na manhã desta quinta-feira, 26, na Operação Eficiência.

A atual mulher de Cabral, Adriana Ancelmo, está presa preventivamente acusada de utilizar seu escritório de advocacia para lavar dinheiro da propina destinada ao peemedebista.

Susana é mãe do deputado Marco Antonio Cabral (PMDB).




Os procuradores identificaram que parte da propina recebida pelo grupo era destinada a ela também, inclusive para pagar contas da família. Seu nome já havia aparecido na Operação Calicute, quando foi encontrado o codinome “Susi” nas planilhas de pagamentos dos operadores de Cabral, que somavam R$ 883 mil entre 2014 e 2016.

Agora, com as delações premiadas de dois operadores do mercado financeiro, os irmãos Marcelo e Renato Chaber, o MPF aponta que “os valores distribuídos à Susana Cabral eram de maior monta” e que também eram utilizadas as expressões “manoel”, “manuel” ou até “motorista-manuel” para se referir aos repasses em dinheiro em espécie para ela buscados pelo motorista Manoel, da família.

Os delatores entregaram uma planilha detalhando os pagamentos a ela e admitiram que pagaram até contas de cartão de crédito de Susana de R$ 50 mil, além de outras despesas como ‘IPVA, conta de luz, gás e escola’. Os repasses dos delatores para a ex-mulher de Cabral entre 2014 e 2015 somam R$ 274 mil.

Diante disso, o MPF pediu e o juiz Marcelo Bretas autorizou a condução coercitiva de Susana para descobrirem o nível de conhecimento que ela tinha da organização criminosa.

Leia mais no Estado de São Paulo.